Mensagem de Boas-Vindas

 

PHOTO 2020 04 30 15 16 26 1

                                                                                      "Ponte Portuguesa " Debre Libanos

 

Cumprimento calorosamente todos os membros da nossa Comunidade, todos os Amigos Etíopes
e todos os leitores desta página.

Cheguei recentemente a Adis Abeba, com determinação e entusiasmo para dar continuidade
ao trabalho dos meus antecessores e colegas, no sentido de contribuir para o aprofundamento
das relações entre Portugal e a Etiópia, que assentam em cinco séculos de história e
perduram num ambiente de grande cordialidade.

Portugal é um país de vanguarda, membro da União Europeia, com elevados índices de
desenvolvimento económico e humano. Aos interessados em conhecer mais sobre Portugal,
convidamos a visitar, além desta página, também www.visitportugal.com

Asseguro-vos que não pouparei esforços para incentivar o interesse por Portugal, que
oferece várias oportunidades de investimento e de intercâmbios comerciais. A página
da Agência para o Investimento e Comércio de Portugal www.portugalglobal.pt/en será
de grande utilidade para as conhecer melhor. O apoio à atividade das empresas portuguesas,
interessadas no mercado da Etiópia, permanecerá também uma prioridade da nossa atuação.

Adis Abeba acolhe as sedes de diversas organizações internacionais, com destaque para a
União Africana e para a Comissão Económica das Nações Unidas para África. Acompanharei
com interesse a atividade que se desenvolve neste centro da política multilateral em
África. A União Africana, junto à qual mantemos uma Representação, merece especial
atenção, como plataforma privilegiada para o acompanhamento do processo de integração
africana para a cooperação.

Devo tamém realçar que a promoção da cultura e da língua portuguesas continuará a ser
uma prioridade nas nossas atividades. O Centro de Língua Portuguesa, apoiado pelo
Instituto Camões (https://www.instituto-camoes.pt/en/), prossegue este objetivo, em
colaboração com a Universidade de Adis Abeba e com a União Africana, organização que
tem o Português como língua oficial.

Convido-vos a consultar regularmente esta página e a contactar-nos sempre que queiram
deixar sugestões que considerem oportunas.

Luísa Fragoso
Embaixadora de Portugal em Adis Abeba

Mais notícias Notícias

Joint Op-Ed by European Union Ambassadors to the African Union and Ethiopia

Five months ago, 67 leaders from Africa and Europe met in Brussels for the sixth European Union (EU) – African Union (AU) Summit. This was a landmark for our partnership, based on reciprocity, trust, mutual respect and understanding. Given the strategic importance of Africa for Europe - and vice versa - leaders decided to strengthen ties between both continents that share an interest in building a common space of peace, security, prosperity and progress. As the President of the European Council, Charles Michel, said at the African Union Summit in Lusaka earlier this month, “this is our common promise; this must be our common duty to the young generations of Africa and Europe”.

Our partnership brings concrete added value, for African and European countries and citizens alike. The EU supports the manufacturing of vaccines in South Africa, Ghana, Rwanda and Senegal. EU, AU and our Member States jointly build roads and railways, promote academic and scientific exchanges, invest in energy and communication grids, and support Africa’s free trade area. €150 billion of investments will be mobilised in the coming years as part of the Global Gateway initiative.

At this moment, we are facing multifaceted challenges. Just a few days after the forward-looking EU-AU Summit, Russia started its unprovoked and unjustified war of aggression against Ukraine. Just like our African brothers and sisters, we know from experience the devastating realities of war, notably the suffering of innocent civilians.

The Russian aggression questions the foundation of international order, the principles of sovereignty and territorial integrity. These principles may seem abstract, but in fact they protect us all, every single European and African State alike. Russia is currently trying to recolonise Ukraine, 30 years after its independence, in the most brutal way. In order to justify the unjustifiable, it invokes the criterion of linguistic unity, of the alleged desire of the populations not to belong to Ukraine anymore. If we allow Russia’s invasion to go unchallenged, no country will be safe any longer. What is unfolding before our eyes will determine the world in which we will live.

Russia’s war has disastrous consequences not only for the Ukrainian people, but also for people all over the world. While the European continent is bearing the brunt of this unjust war in multiple ways, people in Africa have also become direct victims. Economic shockwaves have hit the African continent, food and energy prices as well as inflation are skyrocketing at a time when countries are barely starting to recover from the Covid-19 pandemic.

Russia has acknowledged that the sanctions are not preventing it from delivering food and fertilisers to Africa. Yet, people thousands of kilometres away from Ukraine are suffering because Russia has been deliberately blocking food products and fertilisers from leaving Ukraine overseas, and destroying agricultural and transport infrastructures. Only after very long and difficult negotiations, Russia started showing interest in lifting its blockade. It is in our common interest that this war of aggression is stopped as soon as possible. The EU strongly condemns Russian missile strike on Odesa’s seaport. Striking a target crucial for grain export a day after the signature of Istanbul agreements is particularly reprehensible and again demonstrates Russia’s total disregard for international law and commitments.

We are collectively determined to work with our African partners to resolve these simultaneous crises, and most urgently the food crisis. The EU is mobilising over €7.7 billion up to 2024 for global food security. We are stepping up emergency relief, boosting local food production, keeping markets open and getting Ukrainian grain out to the countries that need it via alternative transport routes in the EU.

Europe and Africa have chosen the path of multilateralism, political and economic integration on the basis of common values and objectives. These instruments are essential to protect small States against the arbitrariness of great powers. What Russia proposes is quite the opposite. Europe’s vision is to build a common future with Africa in which our African partners play their rightful role in shaping and managing a rules-based global order. Let us continue to cooperate on sustainable development, education, health, science and innovation, trade, the green transition and much more. Together, we have the capacity to bring about positive change today and for future generations.

EU Delegation to the AU, EU Delegation to Ethiopia, Austria, Belgium, Bulgaria, Croatia, Republic of Cyprus, Czech Republic, Denmark, Estonia, Finland, France, Germany, Greece, Ireland, Italy, Latvia, Lithuania, Luxembourg, Malta, Netherlands, Poland, Portugal, Romania, Slovakia, Slovenia, Spain and Sweden.

 

A Embaixada de Portugal em Adis Abeba estará encerrada durante o dia de hoje por razões de força maior.

Em caso de emergência, contactar 00251 911576132

The Embassy of Portugal in Addis Ababa will be closed today due to extraordinary circumstances 

In case of emergencies, you may contact 00251 911576132

É permitida a entrada, sem qualquer requisito adicional, a
todos os passageiros que sejam portadores em seu nome de:
- Certificado Digital Covid da UE;
- Certificado digital que tenha sido reconhecido como
equivalente pela Comissão Europeia
, ao abrigo do n.º 2 do
artigo 8.º do Reglamento (UE) 2021/953, de 14 de junho;
- Certificado de vacinação ou recuperação emitido por
países terceiro, reconhecido em condições de reciprocidade

(nos termos do n.º 3 e 4 do artigo 4.º do Decreto-Lei
n.º 54-A/2022, de 25 de junho, na sua redação atual) e contendo
os dados mínimos obrigatórios para esse reconhecimento
(veja o anexo 1 ao Despacho n.º 4829-A/2022, de 22 de abril), desde que
o seu titular tenha sido inoculado com uma das vacinas
identificadas em circular conjunta da DGS e do INFARMED (conforme
circular conjunta n.º 001/CD/100.20.200, de 7 de fevereiro).

Os certificados de vacinação que atestem a vacinação primária são válidos
se mais de 14 dias e menos de 270 tiverem passado desde a inoculação
com a última dose dessa série. Os certificados que comprovem a
vacinação com dose de reforço não têm data de validade.

Todos os outros passageiros, no momento do embarque, deverão apresentar
um comprovativo de realização de:
- teste de amplificação de ácidos nucleicos (TAAN), realizado nas 72 horas
anteriores
ao embarque; ou de
- Teste rápido de antigénio (TRAg) realizado nas 24 horas anteriores ao embarque.
Neste caso, apenas são permitidos testes rápidos antigénio que constem da lista
comum acordada pelo Comité de Segurança e Saúde da UE.

Os cidadãos que, excepcionalmente, não apresentem comprovativo de realização
de um teste, nem sejam portadores de um certificado de vacinação ou de recuperação
- ou cujo teste/certificado não respeite as regras definidas - devem realizar, à chegada,
a expensas próprias, um teste,
aguardando em local próprio no interior do aeroporto
até à notificação do resultado.

Se o resultado do teste for positivo, é informada a autoridade da saúde, a qual deve
determinar o confinamento obrigatório do cidadão em estabelecimento de saúde ou
domicílio.

Estas regras não se aplicam aos passageiros menores de 12 anos de idade, que estão
dispensados de todas as obrigações de testagem para efeitos de viagem.

Tráfego marítimo e terrestre
O Despacho n.º 4829-A/2022, de 22 de abril, permite o desembarque e licenças para
terra de passageiros e tripulações de navios de cruzeiro nos portos nacionais, com
as regras e excepções previamente mencionadas.

Não se aplicam restrições à entrada em território nacional por via terrestre.

Ontem, 5 de maio, celebrou-se o Dia Mundial da Língua Portuguesa, data proclamada pela

UNESCO em 2019. Para assinalar a efeméride, o Grupo CPLP na Etiópia publicou um texto sobre

a diversidade do português no mundo em dois jornais diários, Ethiopian Herald e Addis Zemen.

Pode ler aqui o texto na íntegra:

DIA MUNDIAL DA LÍNGUA PORTUGUESA Três vivas a uma língua muito viva!
Hoje, dia 5 de Maio, comemora-se o Dia Mundial da Língua Portuguesa,
proclamado pela UNESCO em 2019, em reconhecimento do valor global deste
idioma. Agigantou-se, assim, o alcance da celebração estatuída pela CPLP
- Comunidade dos Países de Língua Portuguesa - como Dia da Língua e da
Cultura na CPLP.
A língua portuguesa é um marcador identitário, ligando centenas de milhões
de indivíduos em todos os continentes, unindo povos através das ondas e
marés dos oceanos. É um idioma rico e dinâmico, maternalmente adoptando
os contributos lexicais de muitos outros idiomas, como os falados pelas
primeiras nações ameríndias, pelos povos bantu; e também o árabe, o cantonês,
o hindi e diversas línguas europeias, formando, desta maneira, um mar
profundo de palavras. A título de exemplo, em português, temos à nossa
disposição mais de catorze termos para dizer "menina" ou "menino"!
Propósitos comerciais despoletaram a disseminação do português, há mais
de 500 anos, por feitorias costeiras. Recordando essa época remota de
navegação em mares ignotos e de trocas de informações, conhecimentos e
de novas plantas e frutos, ficou o nome da laranja doce que se diz
"bertukan"(ብርቱከን) em amárico e "burtukaana" em língua oromo, extensões
metonímicas do nome "Portugal".
Os falantes de português pedem um chá para tomar "shayi"(ሻይ), saúdam
com vinho do Porto, poncha ou caipirinha, comem feijoada, calulu, cachupa,
mucapata, moamba, funge, charque, pataniscas de bacalhau, frango à cafriela,
sardinhas assadas e muitos outros pratos típicos deliciosos. Para a
sobremesa, provem um pastel de nata ou sericaia, quindim ou pamonha, paçoca
ou paracuca, fidjós di banana, filhoses ou micondes, izaquente ou matoritori,
brigadeiros ou queijinhos do céu. Busquem estes nomes na Internet para
encontrar as receitas ou fotografias que vos deixarão de água na boca!
Influências mútus permeiam as culturas dos países da CPLP. Algumas expressões
musicais famosas, como a morna caboverdiana e o fado português enraizam no
mesmo chão que é, neste caso, um ritmo angolano-congolês levado para o Brasil
e que ali se desenvolveu, tornando-se a base da dança chamada lundum. O
batuque africano e o antigo estilo de dança conhecido como massemba fundiram-se
com a polca europeia e o maxixe afro-brasileiro, originando o samba.
Poderíamos continuar pelas pistas de dança mundiais e pelas ruas a dançar
marrabenta, kizomba, kuduro, coladeira ou funaná!
A língua portuguesa abre-se a variados sotaques, sons, ritmos, sabores, vozes,
estórias, paisagens, estilos de vida; está presente na inovação, no turismo,
na economia, na pesquisa científica e na tecnologia avançada.
A vanguarda da CPLP para a promoção e projecção da língua e da cultura é o
IILP - Instituto Internacional da Língua Portuguesa (https://iilp.cplp.org/);
os estados-membros partilham idênticos objetivos através dos seus próprios
programas e redes. O Brasil fundou recentemente o Instituto Guimarães Rosa;
Portugal opera pela rede do Camões, I.C. (https://instituto-camoes.pt/en/).
Saiba mais sobre a língua portuguesa na Etiópia, escrevendo para
clpadisabeba@gmail.com

Grupo CPLP na Etiópia
Embaixadas de Angola, Brasil, Guiné Bissau, Guiné Equatorial, Moçambique e Portugal

 

Contactos

Yeshi Building, 5º Andar, Bole Road

00251 115575 806/456/764
adisabeba@mne.pt

Mais informação

Ligações úteis

Logotipo Portal das Comunidades Portuguesas

Logotipo Carreiras Internacionais

Logotipo Turismo de Portugal

Logotipo AICEP - Portugal Global

Logotipo Portugal Economy Probe

Logotipo Camões - Instituto da Cooperação e da Língua

Logotipo Instituto Diplomático

ocean conf 2020 vertical e

união africana

 imagem logo fb